[Cevmkt-L] GUGA E PATROCINIOS

To: "CEV - Marketing Esportivo" <cevmkt-L@xxxxxxxxxx>
Subject: [Cevmkt-L] GUGA E PATROCINIOS
From: "Georgios Stylianos Hatzidakis" <hatzidakis@xxxxxxxxxx>
Date: Sun, 6 Jan 2002 16:17:09 -0200
FOLHA DE SÃO PAULO
TÊNIS

Brasileiro quase desistiu de disputar a Olimpíada de 2000 por causa de confronto entre antiga e nova patrocinadora


Guga veste roupa que recusou em Sydney

Ana Carolina Fernandes/Folha Imagem
Gustavo Kuerten rebate na partida em que derrotou David Nalbandian, ontem, no Maracanãzinho



MARIO HUGO MONKEN
DA SUCURSAL DO RIO

Quase um ano e meio após ter se negado a usar material da Olympikus na Olimpíada de Sydney por ter contrato com a empresa italiana Diadora, Gustavo Kuerten anunciou ontem contrato de três anos com a Olympikus.
O anúncio oficial foi feito por Guga no início da tarde de ontem, em um hotel na zona sul do Rio.
Guga previa estrear a camisa do novo patrocinador, de cor laranja, com detalhes brancos debaixo da manga, já na partida contra David Nalbandian, pelo desafio Brasil x Argentina, ontem à noite, no ginásio do Maracanãzinho.
Seria a primeira partida do segundo colocado no ranking da ATP (Associação dos Tenistas Profissionais) em 2002.
O tenista disse que deixou a Diadora por dois motivos: não estava incluído no plano de marketing internacional da empresa e desejava ser patrocinado por uma companhia de capital 100% brasileiro. O contrato dele com a Diadora expirou no mês passado.
"Como já tenho uma posição consolidada no tênis, em virtude de quatro anos de bom desempenho, optei por fechar um patrocínio com uma empresa totalmente nacional", declarou ele.
Kuerten e a empresa se negaram a falar sobre o valor do contrato, mas o tenista deverá receber cerca de US$ 6 milhões até 2004, US$ 3,5 milhões a mais do que supostamente ganharia com a Diadora.
A Folha tentou ouvir a diretoria da Diadora no Brasil, mas até as 17h15 a empresa não se manifestara sobre a decisão do tenista.
Guga apresentou outra razão para ter optado pela Olympikus. Ele disse que terá autonomia para opinar na confecção do material esportivo e até modificá-lo, quando julgar necessário.
Guga causou polêmica em 2000 quando, compromissado com a Diadora, não aceitou usar material da Olympikus, patrocinador oficial do COB (Comitê Olímpico Brasileiro), nos Jogos de Sydney.
Ele chegou a anunciar que não participaria da Olimpíada. "Não sou de deixar ninguém na mão", justificou. Após um acordo firmado entre a Diadora, o COB e a Olympikus, ele acabou competindo sem nenhum patrocinador.
Principal estrela da equipe olímpica do Brasil e uma das esperanças de medalha, Guga foi eliminado nas quartas-de-final pelo russo Ievguêni Kafelnikov.

O ESTADO DE SÃO PAULO

GUGA anunciou que trocou a Diadora pela Olympikus. O início do novo contrato, que vai render R$ 6 milhões por ano, marca, segundo o tenista, ?uma nova fase na minha carreira? CHIQUINHO LEITE MOREIRA
Especial para o Estado

RIO ? Com mais um contrato milionário, Gustavo Kuerten transforma-se no novo Rei Midas do esporte nacional: tudo em que põe o dedo vira ouro. Ontem, no Rio, Guga confirmou a Olympikus ? marca de material esportivo ? como seu mais novo patrocinador para a temporada de 2002, num acordo válido até 2004, e que deverá significar um faturamento de R$ 6 milhões ao ano para o tenista.

Empresa do Grupo Azaléia, a Olympikus junta-se a uma lista numerosa de bons patrocinadores, como o guaraná Kuat ? que passará a figurar na manga esquerda do uniforme de Guga ?, o Banco do Brasil ? vai permanecer na manga direita ?, a Raider, com contrato de uso de imagem e licenciamento; a Motorola, uso de imagem; a Tilibra, licenciamento; e as raquetes Head, única marca que restou dos antigos grupos que apoiaram Guga desde o início da carreira.

?Estou numa nova fase na carreira. Há mais de dois anos que estou entre os melhores do mundo e acho que essa troca de patrocinadores reflete este atual momento?, disse Guga.

Entusiasmado com a contratação de um Midas como Guga, o diretor de marketing do Grupo Azaléia, Gumercindo Neto, confessou-se emocionado em ter o tenista como parte de sua ?família? de 18 mil funcionários e de mais de 40 milhões de pares de calçados vendidos por ano. Revelou ainda que a Olympikus é a marca de artigos esportivos mais vendida no Brasil e já ocupa a 7.ª posição no ranking mundial, com exportações para 25 países, especialmente da Europa e América Latina. Seu faturamento em 2001 foi de R$ 300 milhões e a meta é chegar a R$ 360 milhões em 2002. ?Nosso projeto com Guga é consolidar nossa liderança em mais uma modalidade esportiva?, disse.

Confiante na recuperação da lesão na virilha, Guga confirmou que vai participar do Aberto da Austrália, a partir do dia 14, em Melbourne. Depois de um mês de tratamento, diz sentir-se em condições de enfrentar os desafios do circuito e confessou que o tipo de contusão que teve faz parte de algo com que terá de aprender a conviver. ?Na Austrália, jogando em uma quadra dura, numa temperatura muito alta e diante dos melhores do mundo, terei de ir ao meu limite.?
JORNAL DA TARDE

Guga, em ?nova fase?, troca de patrocinador
Sai a italiana Diadora, entra a brasileira Olympikus, mudança que vai acrescentar R$ 6 milhões por ano ao faturamento do tenista número dois do mundo

O tenista Gustavo Kuerten acrescentou mais um contrato milionário a sua já abastada carteira de patrocinadores. Ontem, no Rio de Janeiro, o número dois do mundo apresentou a Olympikus como seu mais novo patrocinador para a temporada de 2002 ? o acordo vai até 2004 e acrescentará R$ 6 milhões anuais ao faturamento de Guga.

Empresa de material esportivo do grupo Azaléia, a Olympikus junta-se a uma lista numerosa de bons patrocinadores, como o guaraná Kuat, que passará a figurar na manga esquerda do uniforme de Guga; o Banco do Brasil, que permanece na manga direita; a Raider, com contrato de uso de imagem e licenciamento; a Motorola, uso de imagem; a Tilibra, licenciamento; e as raquetes Head, única marca que restou dos patrocinadores do início da carreira.

?Estou numa nova fase. Há mais de dois anos que estou entre os melhores do mundo e esta troca de patrocinadores reflete o momento atual?, disse Guga, em entrevista coletiva no Rio. ?O contrato com a Diadora terminou e estou contente em ter uma empresa brasileira ao meu lado, num grupo em que posso participar do desenvolvimento de uma linha de roupas e produtos específicos para o tênis.?

Entusiasmado com a contratação de Guga, o diretor de marketing do grupo Azaléia, Gumercindo Neto, confessou-se emocionado em ter o tenista como parte de sua ?família? de 18 mil funcionários. ?Nosso projeto com Guga é consolidar nossa liderança em mais uma modalidade esportiva?, disse Gumercindo.

?Com este contrato fecha-se o grupo de patrocinadores de Guga, porque precisamos preservar seu calendário?, afirmou Paulo Carvalho, seu empresário no Brasil e muito influente nas negociações dos contratos do tenista.

Otimista e confiante na recuperação da lesão na virilha, Gustavo Kuerten confirmou sua participação no Aberto da Austrália, a partir do dia 14, em Melbourne.

?A prova mesmo será na Austrália. Jogando em uma quadra dura, com temperatura muito alta e diante dos melhores do mundo, terei de ir ao meu limite. Mas viajo confiante, pois sinto que posso jogar bem, embora o começo do ano seja sempre muito difícil para mim.?
 
 
O DIA

Parceiro novo, tênis velho

Enquanto espera pelo calçado novo da Olympikus, Guga vai usar o par do antigo patrocinador

Marcelo Fefer

Gustavo Kuerten assinou um contrato milionário com a Olympikus (comenta-se que receberá R$ 6 milhões por ano), mas não abandonou de vez a Diadora, seu antigo fornecedor de material esportivo. Tanto no Desafio Brasil x Argentina ? cujo último dia é hoje, com Guga enfrentando Gaston Gaudio, depois do jogo entre Fernando Meligeni e David Nalbandian, marcado para 10h30 (os ingressos estão esgotados) ?, quanto no Aberto da Austrália, a partir do dia 13, e no confronto com a República Tcheca, pela Copa Davis, em fevereiro, o número 2 do ranking mundial calçará tênis feitos pela Diadora, mas com a precaução de tapar o logotipo do patrocinador anterior.

?Vou jogar com esse tênis na Austrália e também na Davis, pois vou direto para a República Tcheca. Talvez na volta da Davis já tenha um tênis pronto para eu usar. O acordo com a Olympikus foi muito rápido e não deu para planejar tudo?, explicou Guga, que pode enfrentar problemas com seus novos calçados. Nos Jogos Olímpicos de Sydney, insatisfeitas com o material que receberam, parte das jogadoras da seleção brasileira feminina de vôlei, que é patrocinada pela Olympikus, utilizou tênis de outras marcas, com o logotipo da Olympikus colado sobre o original.

<Anterior em Tópico] Tópico Atual [Próximo em Tópico>
  • [Cevmkt-L] GUGA E PATROCINIOS, Georgios Stylianos Hatzidakis <=

© 1996-2018 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.