[Cevmkt-L] PALESTRAS DOS ESPORTISTAS

To: "CEV - Marketing Esportivo" <cevmkt-L@xxxxxxxxxx>
Subject: [Cevmkt-L] PALESTRAS DOS ESPORTISTAS
From: "Georgios Stylianos Hatzidakis" <hatzidakis@xxxxxxxxxx>
Date: Sun, 18 Nov 2001 19:52:26 -0200
OGLOBO
Rio, 18 de novembro de 2001
Volta para Esportes

A boa fala dos esportistas

Meio-dia. Oscar entra em uma escola primária. E não é para buscar os filhos. Bernardinho é recebido num hotel do interior. E não vai para descansar. Robert Scheidt aguarda na recepção de uma multinacional. Mas não espera o patrocinador. O objetivo dos craques é o mesmo: dar uma palestra e passar suas experiências. A repercussão é tão boa que os convites para novas conferências surgem o tempo todo.

Já virou rotina encontrar estrelas falando sobre temas como motivação e liderança para grandes platéias. Bom para quem assiste e que, de quebra, ganha um autógrafo. Melhor ainda para os atletas: uma palestra não sai por menos de R$ 7 mil e algumas chegam a R$ 15 mil.

Paula, do basquete; Ida, do vôlei de praia; e Montanaro, ex-seleção de vôlei, engrossam a lista de craques. Oscar é o campeão das requisições. Segundo a empresa que o promove, há mais de uma solicitação por dia. O Mão Santa já deu palestras em escolas, multinacionais e em redes de supermercados.

— Os funcionários falam da palestra até hoje. Ele tem um carisma absurdo. Deu até uma bola para a platéia — conta Josias Castro, gerente de marketing de uma grande rede de supermercados do Rio.

O maior ídolo do basquete explica o sucesso das aulas:

— Nas palestras, a carreira do atleta Oscar se mistura com a do homem Oscar e, muitas vezes, é bem parecida com a de qualquer outra pessoa, de qualquer classe social — diz o Mão Santa, que já tem mais de 300 palestras no currículo.

Bernardinho é outro bem concorrido. Menos brincalhão, o técnico da seleção masculina de vôlei fala quatro línguas e é o queridinho dos executivos de multinacionais. O velejador Robert Scheidt, eleito o melhor do mundo em 2001, costuma fazer um paralelo da vida com o mar em suas aulas.

Magic Paula não joga mais basquete, mas leva a sua experiência para públicos variados.

— Jogo algumas frases de personalidades para o público e refletimos sobre o assunto — conta.

Eles fazem mistério sobre o quanto ganham, mas é certo que é um bom dinheiro. Alguns como Ida, sem patrocínio, não negam que a verba extra cai como uma luva no orçamento.

— É um dinheiro bem-vindo — afirma a jogadora.

Para Oscar, que deve se aposentar no início de 2002, as palestras podem ser uma ocupação futura. Até porque o que não lhe falta é história para contar.

— Pretendo continuar fazendo porque me dá prazer — disse o jogador do Flamengo.

<Anterior em Tópico] Tópico Atual [Próximo em Tópico>

© 1996-2018 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.