[Cevleis-L] Re: [Cevleis-L] Desporto não-profissional

To: <cevleis-l@xxxxxxxxxx>
Subject: [Cevleis-L] Re: [Cevleis-L] Desporto não-profissional
From: "Marcilio Krieger" <marcilio@xxxxxxxxxxxxx>
Date: Sat, 16 Mar 2002 10:01:45 -0300
CEVELISTAS,
tenho acompanhado com vivo interesse a troca de msgs a respeito do tema "Desporto não-profissional" - e, confesso, ainda que ela tenha passado despercebida, já dei minha peruadinha.  O Dr. Paulo acaba de citar trecho da obra ("Entenda o Projeto Pelé") escrita a quatro mãos com o Dr. Bosco. Destaco uma passagem:    "Lembrem-se, não é por falta de leis, nem por ausência de instrumentos para aplicá-las, que as nossas necessidades e aspirações não se tornam realidade. Já é tempo de entrarmos no jogo, por nossa conta e risco. É imprescindível descobrir e conhecer a história e o suporte legal construído (...)".
 
Pois, é. Às vezes nem nos damos conta mas trocamos idéias em círculos concêntricos com raios cada vez maiores - o que nos faz descortinar paisagens diferentes, dando-nos a entender estarmos avançando.
 
No debate em causa, destaco alguns aspectos:
a)A LGSD trata, fundamentalmente, do futebol e, dele, o futebol profissional; b) as referências ao desporto não-profissional são pouco mais que circunstanciais, assim como se fosse uma espécie de árbitro-auxiliar (ou bandeirinha) nas partidas de futebol; c) o desporto amador foi extirpado por algum símile de Jack Stripper, fazendo lembrar as famosas fotos de Lenin e Trostky , circa 1917, na URSS: Stálin, mandou aumentar a base do palanque e... Trostky não foi mais visto nem ouvido. Assim fizeram com o desporto amador na LGSD; d) existem, no Brasil de hoje, pelo menos uns 20 milhões de desportistas amadores que regularmente se exercitam - e os quais inexistem perante a LGSD e suas derivações.
e) Sugeri a criação da modalidade de FUTEBOL AMADOR, com regras próprias, entidades de prática , dirigentes, atletas, pessoal de apoio e tudo o mais necessário para que uma modalidade exista. NÃO PRECISARIAMOS PEDIR LICENÇA PARA NINGUÉM POR QUE SERIA - como o biribol, a peteca, o frescobol - MODALIDADE DE CRIAÇÃO NACIONAL.  
f)  A vantagem, repito, é sermos criadores (nós, que somos tão criativos!) e não copiadores...
 
Como diria Júlio Cesar: ALIA JACTA EST - que significa " a sorte está lançada" e não, como muita gente  pensa, " A Lia é ( mulher) a jato".
 
PARA UMA REFLEXÃOZINHA NESTE SÁBADO EM QUE A TEMPERATURA ALÇANÇA  OS 35 GRAUS, FÁCIL, FÁCIL:
- mantenho minha assertiva de que até 2006 haverá uma 'outra' FIFA sob a face da Terra. Esta, que vocês conhecem tão bem - e à qual se pensa até em pedir licença para fazer uma liga funcionar - cuidará dos interesses dos africanos, asiáticos, oceânicos, ilhéusfújis, e quejandos ; e (está surgindo) uma outra que cuidará do futebol que verdadeiramente interessa: os 20 maiores times da Europa e uns dez de outros países, Brasil e Argentina entre eles ( até porque, como muito bem recorda o Dr. Lagarto, mesmo o maior parque industrial/tecnológico do Mundo, os USA, não pode prescindir da matéria-prima do Sul do Equador).
 
Venho dizendo isto desde 1998, como os mais velhos podem lembrar - e nunca estivemos tão perto da nova realidade.
Então, porque não criarmos uma nova modalidade, gente boa? Pensem nisto.
 
era isso aí
 
Marcilio Krieger
<Anterior em Tópico] Tópico Atual [Próximo em Tópico>

© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.