[cevdroga] Devem-se criar salas para o uso de drogas?

Darwin Ianuskiewtz darwin em darwin.pro.br
Sábado Novembro 20 23:10:28 BRST 2004


Devem-se criar salas para o uso de drogas? 
NÃO

Casas de danos 

RONALDO LARANJEIRA

Na semana passada fomos surpreendidos com a proposta feita pelo dr. Pedro Gabriel, em nome do Ministério da Saúde, de criar casas onde o uso de drogas ilícitas seria incentivado, com o suposto propósito de diminuir o dano produzido por essas mesmas drogas. Essa idéia parte do pressuposto de que uma parcela significativa dos dependentes químicos continuará o uso e de que deveríamos protegê-los, oferecendo um lugar seguro para o consumo. Tal idéia, que não encontra apoio na literatura científica internacional e mostra o despreparo dessa equipe no entendimento dessa doença, desconsidera alguns aspectos importantes da dependência química, a saber:
o uso constante de drogas produz mudanças significativas no cérebro, que causam comportamentos como persistência na busca pela droga, apesar das complicações físicas, sociais e mentais, e apetite persistente e intenso pelo uso;
a maioria dos dependentes graves acaba tendo algum nível de dano cerebral, que é responsável por comportamentos como impulsividade, diminuição da capacidade de pensamentos complexos, da memória e da capacidade de tomar decisões complexas, tendência a adiar ações importantes, desorganização mental;
é uma doença crônica, em que a recaída é a regra, e a recuperação normalmente ocorre só após vários episódios de tratamento;
uma grande parte dos usuários acaba desenvolvendo um outro transtorno psiquiátrico, como ansiedade, depressão ou mesmo psicose.
Esses aspectos, típicos da dependência química, é que levam a uma grande parte das dificuldades no tratamento.
Apesar disso, nos últimos anos temos assistido, nos países desenvolvidos, a um grande avanço nas técnicas terapêuticas dessa doença. Novos medicamentos são propostos para estabilizar o cérebro dos dependentes, revertendo uma parte substancial das alterações produzidas por anos de uso. Novas estratégicas de terapia psicológica, visando a motivação para a mudança do estilo de vida, assim como para interromper o uso das substâncias, são desenvolvidas. Os centros de tratamento cada vez mais orientam pacientes e suas famílias com estratégias para prevenir as recaídas.
Os objetivos da organização desses serviços são incluir um número sempre maior de pacientes e facilitar ao máximo a aderência e a retenção desses indivíduos no tratamento. A abstinência total deixou de ser o único objetivo, muito embora ainda seja o melhor. A integração com toda a rede de auto-ajuda, como Narcóticos Anônimos, Amor Exigente etc., torna o tratamento ainda mais eficiente.
O tratamento funciona. Especialmente quando feito por profissionais qualificados, que seguem as técnicas que tenham eficácia científica comprovada, num sistema bastante integrado, bem distribuído, diversificado e que dê uma grande facilidade de acesso ao paciente e a sua família. Como em qualquer tratamento de doença complexa, é necessário grande investimento para que aqueles que necessitam recebam o tratamento devido, mesmo que o processo de recuperação leve alguns anos.
No Brasil, assistimos a uma grande negligência com o tratamento da dependência química. Não possuímos uma rede pública de tratamento ampla e diversificada. Não temos profissionais bem treinados. Não temos apoio governamental às mais de 2.000 comunidades terapêuticas que sobrevivem do voluntariado ou de parcos recursos de doações. Não temos apoio aos grupos de auto-ajuda. Não damos apoio aos milhares de famílias que sofrem no seu dia-a-dia, buscando algum tipo de tratamento para seus parentes.
Essas famílias, desamparadas pelos governos, devem se sentir ofendidas pela proposta do Ministério da Saúde. Seus parentes não recebem os cuidados de saúde necessários e ainda poderão ter de conviver com o financiamento governamental de uma casa para o uso "seguro" de drogas.
Seria mais reconfortante se o governo investisse na dependência química como investiu no combate à Aids. Hoje temos um programa de tratamento para Aids que é um modelo internacional. Isso só aconteceu porque vários governos investiram grandes somas de dinheiro que reverteram para o benefício desses doentes. Mesmo uma doença grave e difícil como a Aids responde quando temos profissionais bem treinados, medicamentos de última geração, clínicas que recebem adequadamente pelo tratamento e um sistema integrado de atendimento ao doente. Tudo isso falta ao dependente químico.
Outros setores do governo, como a Secretaria Nacional Antidrogas, têm uma abordagem muito mais em sintonia com a sociedade. Em reuniões recentes, em que algumas centenas de profissionais discutiram as prioridades da Política Nacional Antidrogas nos próximos anos, em nenhum momento essa aventura social de casas para uso de drogas veio à discussão. Se o Ministério da Saúde mantiver essa proposta, estará contribuindo para que os dependentes químicos continuem longe da difícil recuperação e, agora, com uma opção a mais de local de uso de drogas, estimulados pelo dinheiro público. 



--------------------------------------------------------------------------------
Ronaldo Laranjeira, 48, é professor de psiquiatria e coordenador da Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo).
-------------- Próxima Parte ----------
Um anexo em HTML foi limpo...
URL: http://listas.cev.org.br/pipermail/cevdroga/attachments/20041120/a1afc8c9/attachment.htm


Mais detalhes sobre a lista de discussão cevdroga

© 1996-2018 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.