[Cevdopagem] Doping pode levar atletas para a cadeia nos Jogos de Inverno

Ana Teresa Guazzelli Beltrami aninhabeltrami em hotmail.com
Terça Janeiro 31 12:52:43 BRST 2006


31/01/2006 - 09h09
Doping pode levar atletas para a cadeia nos Jogos de Inverno
Por Adalberto Leister Filho e Luís Ferrari
Da Folhapress
Em São Paulo

As rígidas leis antidoping seguidas pela Itália ainda preocupam o COI 
(Comitê Olímpico Internacional) às vésperas dos Jogos de Inverno de Turim, 
que serão realizados de 10 a 26 de fevereiro.

Quem for pego no país com drogas banidas ou tiver exame antidoping positivo 
também responde a processo criminal e corre até o risco de ir para a cadeia.

Normalmente, um atleta flagrado no antidoping é expulso da Vila Olímpica, 
tem sua credencial cassada e é despojado da medalha obtida, além de correr o 
risco de levar alguns anos de suspensão. Sob as leis italianas, tal caso 
costuma também parar nos tribunais.

Irredutível, o governo não admite nem a possibilidade de flexibilizar as 
leis durante o evento. "Quem quer que cometa um crime na Itália, seja 
italiano ou estrangeiro, deve pagar por isso. Então, não há mudança", disse 
categoricamente Mario Pescante, ministro do Esporte do país.

Poucos dias antes, porém, o político chegou a dizer aceitaria abrandar a 
lei, ratificando a Convenção Internacional contra o Doping no Esporte, que 
não prevê pena criminal. Além disso, dissera que, caso a Itália não se 
tornasse signatária da carta, o processo legal lento afastaria problemas 
imediatos durante os Jogos.

Ao voltar atrás, Pescante deixou a entender que, teoricamente, a polícia 
local poderá fazer diligências inclusive na Vila Olímpica, o que não é praxe 
em competições como essa. Normalmente, o local que hospeda os atletas é 
considerado um território livre, similar à sede da ONU em Nova York.

"Batidas na Vila Olímpica podem até acontecer desde que haja um mandado", 
afirma Giselle Davies, porta-voz do COI, ressaltando que tais iniciativas 
são 'hipóteses não esperadas" pelo comitê.

Apesar da paúra de que ocorram incidentes graves na Itália, a entidade nega 
que tenha pedido abrandamento do Código Penal.
"O COI não está acima da lei e nunca esperou ou requereu algo assim", 
desconversou Giselle.

O temor se justifica diante do histórico de problemas. Em Salt Lake-02, por 
exemplo, o comitê desmascarou vários atletas que usavam darbepoetina, droga 
detectada pela primeira vez naquele evento e que caiu em desuso.

A Agência Mundial Antidoping, por sua vez, esquiva-se em relação ao 
problema. Questionada, a Wada diz que se preocupa só com o combate ao uso de 
drogas ilegais.

"Essa é uma questão entre o COI e o governo italiano. O que nos inquieta é 
que o Código Mundial Antidoping seja aplicado como em Atenas [em 2004]", 
disse Dick Pound, presidente da Wada.

disponível 
em:http://esporte.uol.com.br/outros/ultimas/2006/01/31/ult65u2254.jhtm

_________________________________________________________________
Ganhe tempo encontrando o arquivo ou e-mail que você precisa com Windows 
Desktop Search. Instale agora em  http://desktop.msn.com.br




Mais detalhes sobre a lista de discussão cevdopagem

© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.