[cevbasq] Super trunfo por Melchíades Filho --> FSP 03/01/2006

Carlos Alex Soares carlosalex em brturbo.com.br
Domingo Janeiro 8 23:05:28 BRST 2006


03/01/2006 --> http://melk.blog.uol.com.br/

Coluna Folha de S.Paulo - 03.01.2006

Super Trunfo 
Tirando os tristes, os sebentos e as mocréias, ninguém se escondia no quarto. Brincávamos na rua. O único computador de que se tinha conhecimento era o que monitorava, entre um curto-circuito e outro, o "Túnel do Tempo" na TV. Eu mijava de porta aberta, fora do alvo e orgulhoso.
Mas, antes que a puberdade chegasse e o fecho do banheiro virasse meu confidente, eu já gostava dos momentos só meus.
Não me lembro direito qual foi o gatilho. Se os clássicos da literatura que a Abril editou em capas supercoloridas; se os discos de rock pauleira que o Marcão indicou; se a enciclopédia ilustrada de sexo que papai médico comprou.
Mais ou menos nessa época, o final dos anos 70, ganhei o baralho de presente. O objetivo do jogo era esvaziar o monte do adversário, cantando uma das informações estampadas na carta da vez e torcendo para que o valor dela fosse o mais alto do "round".
Com o tempo, peguei o macete. Descobri os pontos fortes e fracos de cada "card" e só não me tornei imbatível por causa do curinga solitário que estampava o nome do jogo e prevalecia de antemão em quase todas as situações.
O tal do Super Trunfo dizimava a lógica do jogo _e garantia a graça. O oponente podia estar na miséria, reduzido a poucas cartas, mas, se ele tivesse em mãos o curinga, nada estava definido.
Talvez por isso eu preferia jogar sozinho, simulando os rivais e testando múltiplas personalidades à prova de remédio faixa preta.
Fiquei viciado. Passei a colecionar baralhos: F-1, carros esporte, jatos comerciais. Adorava o dos aviões de guerra. O Super Trunfo era um bombardeiro enorme e invocado, cujo nome parecia com o da guitarra do Jimi Hendrix...
Fazia tempo que não me recordava do brinquedo. Até a semana passada, ressaca natalina, quando ele reapareceu duas vezes.
Primeiro, quando rasguei o embrulho e vi que a Grow lançou uma versão com atletas de basquete. (Allen Iverson, armador multitalentoso, levou a melhor sobre outros cobras da NBA e foi escolhido como Super Trunfo.)
Segundo, quando escrevi o balanço de 2005 para a edição de sábado e reparei nas mais recentes notícias do basquete brasileiro.
Uma rodada atrás da outra, a CBB vem derrotando a Nossa Liga, fundada pelos clubes que se fartaram dos pedágios e favores cobrados pela confederação.
Todos os semifinalistas do Paulista são fiéis à CBB. O Flamengo, que venceu o Estadual com uma virada extraordinária sobre o time-símbolo do movimento "rebelde", também. O líder invicto do Nacional feminino também.
Os melhores pivôs da Nossa Liga negociam virar a casaca _Tischer, de São José dos Pinhais para Uberlândia, e William, de Araraquara para o Ajax.
Por fim, a Justiça barrou pela segunda vez a tentativa da Nossa Liga de parar o campeonato concorrente com o argumento de que o regulamento fora prostituído.
Será que Oscar, Paula, Hortência e Marcel, ídolos reunidos em torno do projeto autônomo, têm em mãos um Super Trunfo? Tomara que sim. A solidão do banheiro não me interessa mais.

Empuxo
Só no tranco a cartinha de Nenê não faz feio no brinquedo da Grow. O brasileiro é o quinto em altura e em peso. Nos outros quesitos (pontos, rebotes e assistências), ele leva pau de quase todo mundo.

Velocidade 
A explosão atlética do ala-armador Alex deve desequilibrar em favor de Ribeirão Preto nos mata-matas contra Franca, Paulistano e Assis.

Autonomia 
Único time a escalar o mesmo quinteto titular em todas as rodadas, o Detroit faz o quarto melhor começo de temporada da história da NBA. Foram apenas três derrotas em 27 partidas. O recorde pertence ao Chicago de 1995/96 (Jordan, Pippen...): três reveses em 45 jogos. 

E-mail melk em uol.com.br
-------------- Próxima Parte ----------
Um anexo em HTML foi limpo...
URL: http://listas.cev.org.br/pipermail/cevbasq/attachments/20060108/96e4f083/attachment.htm


Mais detalhes sobre a lista de discussão cevbasq

© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.