[cevbasq] Nota da FCB 1

Carlos Alex Soares carlosalex em brturbo.com.br
Sexta Março 11 17:29:41 BRT 2005


FEDERAÇÃO  CATARINENSE   DE   BASKETBALL

Filiada a Confederação Brasileira de Basketball - Fundada em 31/03/95

Utilidade Publica Municipal - Lei Nº 5398/98 de 01/07/1998

Rua Araújo Figueiredo, 119 - Salas 803/805  -  Basquetebol 

Centro  -  CEP  88.015-520  -  Florianópolis  -  SC 

Fone/Fax: (048) 224-8011  -   E-mail: fcb em floripa.com.br
CNPJ: 00.604.100/0001-27  - Inscrição Estadual: Isento  

NOTA DE ESCLARECIMENTO

 

 

Em função dos -emails enviados e divulgados pelos Senhores Henrique Sudatti Porto - Vice Presidente da AJAB - Jaraguá do Sul e Emerson Teixeira - Supervisor da APAB-Sul esclarecemos:

 

Senhor Henrique:

 

1 - A quantidade de equipes participantes nos JASC é definida pela FESPORTE/CED em regulamento próprio, e 12 equipes é um numero tecnicamento bom e proporciona mais qualidade, ter mais do que isto é sucatear, montar equipe para passear e gerar despesas para prefeituras e Estado. 

Os investimentos em equipes não são de responsabilidade da FCB, as prefeituras definem as modalidades em que irão investir, talvez a falta de profissionais competentes nas cidades é que seja o principal motivo.

 

2 - Para seu conhecimento informamos que o basquete feminino está mantido nos JASC, a FCB encaminhou requerimento juridicamente embassado ao CED que confirmou a manutenção da modalidade.

 

3 - O pequeno número de equipes no estadual deve-se a falta de investimentos das prefeituras e a falta de pessoas com conhecimento para captar recursos junto a iniciativa privada, e isto não cabe a FCB. Bons projetos são acolhidos.  

Os custos do Estadual adulto não podem ser considerados altos, as taxas de arbitragem são acessíveis e não sofrem reajustes a mais de 3 anos.

 

4 - A crise do basquete feminino é nacional, muitos estados não fazem campeonatos femininos a vários anos e nós estamos viabilizando a realização da categoria adulto feminino em moldes diferentes, principalmente no que diz respeito a taxas.

 

5 - Quanto aos WOs ocorridos temos como comprovar técnica e juridicamente que não foram de responsabilidade da FCB, tanto que os clubes envolvidos não tomaram qualquer espécie de medida judicial na esfera esportiva ou comum. 

 

6 - A FCB lança seu calendário anual com bastante antecedência e busca respeitar o período de competições da FESPORTE, COB, Ministério e CBB, inclusive aguarda a publicação das datas dos eventos dessas entidades, ocorre que as mesmas efetuam constantes mudanças em seus calendários, principalmente FESPORTE e COB. A CBB  procura não prejudicar o calendário das Federações.

 

7 - A realização de jogos durante os dias de semana em grande parcela atende pedido de clubes, muitas vezes por interesse pessoal de técnicos e dirigentes e por falta de planejamento desses, essas solicitações estão arquivadas na FCB. 

A FCB publica a tabela de suas competições com datas e horários com , observando as solicitações encaminhadas pelos clubes, que em sua maioria não querem jogos aos domingos. Quanto a eventos da FESPORTE não podemos responder. 

 

8 - No que tange a custos, discordamos que tenhamos as taxas mais caras e temos como contestar sua afirmação, comparando com as demais federações da modalidade e com outras também.

Esclarecemos ainda, que alguns técnicos não planejam o ano esportivo e simplesmente vão registrando atletas indiscriminadamente, alguns que nunca foram usados, sem se preocupar com custos, o que podemos comprovar facilmente e estamos abertos para isto.

 

9 - A FESPORTE subsidia com dinheiro público, mas busque conhecer os custos para manter uma delegação numa comptição que você saberá a realidade. O poder público não repassa um centavo as Federações, nem para atender projetos, só se consegue algo politicamente e não estamos aqui para fazer política no esporte e sim política para desenvolver o esporte.

 Nós tentamos buscar recursos e conseguimos poucas vezes alavancar parcos valores para a manutenção da FCB.

 

10 - Salários e bolsas são investimentos internos, é no mínimo ridículo querer economizar em cima de pessoas que estão trabalhando para que a modalidade cresça em detrimento da contratação de atletas. Que as equipes desenvolvam projetos sérios e competentes e através de captação no mercado viabilizem patrocínios. E principal produto para tal fim são equipes adultas bem estruturadas.

 

11 - Não consideramos a FCB amadora, seu Presidente, Professor Universitário aposentado, dá expediente diário, sem receber sequer um centavo. Temos uma Secretária e um Secretário, 1 Diretor que cuida diariamente de registros, numa estrutura enxuta e de baixo custo, os balancetes comprovam. Temos equipamentos modernos e principalmente sede própria, fato raro entre Federações de qualquer modalidade, completamente quitada sem dinheiro do poder público. 

Temos assessoria jurídica gratúita, um TJS/CD com advogados qualificados, departamento de arbitragem que prima pela renovação e investe na atualização e capacitação, o que resulta no aproveitamento de nossos árbitros em todo o Brasil e internacionalmente, basta acompanhar.

Dirigir uma entidade com firmeza não é autoritarismo é competência, fiquem um dia na Federação, com certeza sairam assustados com atitudes de alguns dirigentes de clubes.

Nós fizemos basquete, o terceiro melhor do País segundo o ranking da CBB, quer administrativamente ou tecnicamente.

 

12 -  Tratando-se de fórmulas de disputa temos a dizer: os congressos técnicos são realizado e poucos clubes se fazem presentes para expor idéias, discordar ou aprovar os sistemas de disputas. Quase todos os possíveis e imagináveis já foram realizados. Se as atas das reuniões técnicas com equipes foram consultadas os Senhores entenderam que escolhe e aprova as formas de realização das competições. 

Segundo manifestação de alguns técnicos o torneio em sistema de pontos corridos gera, ao final do campeonato, despesas iguais a quadrangulares, principalmente em virtude da nossa dimensão territorial.

A FESPORTE também trabalha regionalizada e em chaves, o play-offs somente na última etapa da competição por critérios financeiros e técnicos.

Salientamos ainda, que propussemos e assessoramos a criação de ligas e somente uma deu resultado, a Oeste, que realiza vários campeonatos e administra eventos estaduais regionais para a FCB, reduzindo em muito os custos das equipes. Infelizmente nas demais regiões do Estado os basqueteiros não conseguiram esquecer interesses próprios para fortalecerem-se em termos de competição regional, proporcionando a redução de gastos. Queremos as ligas como parcerias, nos moldes de São Paulo. 

 

13 - Uma segunda divisão adulta já esta planejada pela Federação, com custos mais baixos.

 

14 - A divisão existente atende pleito das equipes que reclamam de terem que se deslocar até a região oeste, onde temos no Estadual 3 equipes com várias categorias: Chapecó, Xanxerê e Xaxim, ninguém quer fazer estas viagens. A FCB acata a decisão da maioria.

 

15 - Quiçá os clubes consigam frmar uma associação, seria um grandioso passo para o basquete catarinense, que sabe o Senhor seja a pessoa certa para conduzir o processo que terá o apoio irrestrito desta Federação.

 

16 - A participação pela segunda vez da TV foi uma conquista das Federações, volei, basquete e futsal, e por proposição da FCB, acatada pelas demais co-irmãs e pela emissora, foram criados espaços nobres para a venda de publicidade pelos clubes, veremos o resultado que alcaçarão.

 

 

Senhor Emerson,

 

a nota esclarecedora acima atende e responde alguns dos itens citados em seu e-mail, mas especificamente,  gostaríamos de tecer as seguintes considerações:

 

1 - Criciúma recebeu a assessoria para a criação de uma liga e até hoje, por falta de competência de alguns que não preciso citar nomes, pois são de seu conhecimento nada foi feito, e lá se vão 5 anos de inatividade, inoperância e irresponsabilidade.

As ligas atederiam a rregionalização, principalmente nas categorias mini, mirim e infantil. O desporto Escolar é responsabilidade constitucional da Secretaria de Educação. Atualmente os colégios da rede pública não possuem recursos para se administrar, as verbas desses estão centralizadas, com certeza não funcionaria.

As despesas do moleque bom de bola são cobertas pelas prefeituras e pelo Estado não pelos estabelecimentos de ensino. Se a Prefeitura ou o Estado não auxiliarem a equipe não vai, o que já ocorreu. Sem dúvidas, se recebessemos verbas públicas com certeza faríamos eventos de forma gratuíta. Além do que, os kits distribuídos no moleque são pagos pela Parati. Conheça o projeto.

 

2 - Nunca preterimos equipes, se assim o fizessemos muitas não estariam participando das competições por inadimplência junto aos cofres da FCB. Jamais nos negamos a atendê-los. Só que existem limites, uma entidade tem despesas e precisa pagá-las.

 

3 - Para um jornalísta o Senhor está um pouco desinformado, venha a FCB tomar conhecimento do que acontece, com certeza sua visão crítica terá outra direção.

 

4 - Venham as reuniões com propostas e coloquem-nas em discussão, é salutar, se os clubes aprovarem nós acataremos.

 

5 - A criação de um fundo específico com captação de recursos na arrecadação tributária  conforme sugere Vossa Senhoria, e incostitucional, com exceção da cultura e para o Social.

Esclareço que está sendo estudada, já em fase adiantada, a criação de um fundo cultural no Estado e que atenderá também o esporte e o turísmo. Este fundo terá como base de captação a arrecadação estadual líquida, composta de ICMS, IPVA e alguns outros, a margem de 0,5%, que poderá gerar anualmente 60 milhões de reais a este mecanismo de fomento.

 

 

Para finalizar gostaríamos de dizer a ambos o seguinte:

 

A cobrança e a fiscalização das atividades da Federação nos fazem crer que estamos trabalhando. Somos abertos a críticas e sugestões, e ganham credibilidade principalmente quando emanam daqueles que cumprem com suas obrigações com a FCB da mesma forma com que ela cumpre com seus filiados.

 

A administração da FCB comete erros como todas as administrações públicas ou privadas, mas a transparência impera e as portas estão abertas, tanto que estou encaminhando proposição à Diretoria para que seja realizada uma audiência pública com a participação da imprensa para apresentação dos resultados técnicos e financeiros da Federação e, principalmente, trazer ao conhecimento do meio esportivo as pendências dos clubes junto a FCB, que está com todas as obrigações de qualquer espécie em dia. Teríamos o máximo prazer em recebé-los para apresentarmos o que aqui afirmamos.

 

José Alberto Valle Pereira

Diretor Jurídico - OAB/SC 12.322  






-------------- Próxima Parte ----------
Um anexo em HTML foi limpo...
URL: http://listas.cev.org.br/pipermail/cevbasq/attachments/20050311/07e3692d/attachment.htm


Mais detalhes sobre a lista de discussão cevbasq

© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.