RE: [cevbasq] Oscar diz que clubes vão se reunir de novo para debater postura da CBB

Bruno Lima bofl em globo.com
Sexta Março 11 15:26:44 BRT 2005


Reproduzo aos cevbasqueteiros um artigo subscrito por mim que foi publicado
no Databasket dia 10.12.04 e republicado hoje com um adendo no final a respeito
da declaração do Nenê.

DIA D 

Na próxima segunda-feira estarão reunidos em São Paulo representantes de
vários times (SP vai definir os participantes neste final de semana e ainda
faltará o representante do Rio Grande do Sul), presidentes de algumas federações
e a cúpula da CBB para decidir os rumos do próximo nacional masculino.

Inicialmente, ressalto desde já que tudo começa errado. Não é aceitável
que seja marcada uma primeira reunião para tratar de assuntos da principal
competição do país com menos de 60 dias para a bola subir, considerando
que o campeonato começará no final de janeiro. Somente a título exemplificativo,
esta semana a NBA divulgou a sede do All Star Game de 2006, frise-se que
estou me referindo ao evento que acontecerá daqui a mais ou menos uns 14
meses. Portanto, a primeira falha que merece ser registrada. As discussões
para o nacional já deveriam ter começado faz tempo.

Nada é oficial, porém nos bastidores rumores estão em ebulição, tais como:
o campeonato ter 18 equipes, existir uma divisão em duas chaves (conferências);
a possibilidade do Estado de SP ter oito participantes, ao invés de 6; a
hipótese do famigerado pedágio, eis que existe o precedente (caso Minas).

O campeonato brasileiro ser disputado por 16,18 ou 20 equipes não vejo nada
demais, porém é preciso saber se tais equipes têm estrutura, planejamento
e garantias para participar de um campeonato nacional. Não adianta nada,
uma equipe garantir a vaga no famigerado critério por estado, ou então pelo
perigoso pedágio, e não cumprir com as suas obrigações. 

Na tal reunião será batido o martelo com relação a participação de Londrina
no campeonato nacional. Mediante o pagamento do pedágio (R$150 mil) conseguirá
a vaga que perderam para o time de Curitiba no campeonato paranaense. Com
o dinheiro do pedágio ? ou bem menos, será que a diretoria não teria montado
um time em condições de ganhar a vaga do Estado? Efetuado o pagamento do
pedágio, será que as dívidas do passado com jogadores do time que disputou
o último nacional foram sanadas? Segundo informações, há obrigações (salários
atrasados) a serem cumpridas. Portanto, uma dúvida a ser levantada: Um time
que tem dinheiro para pagar o pedágio e não honra com suas obrigações merece
a vaga????

Como disse, o precedente existe e será difícil Londrina não ser aceito no
nacional, contudo, pode gerar uma crise no basquete em especial partindo
do maior núcleo do basquete, que é o Estado de São Paulo. 

Recentemente no programa Por dentro do Basquete (Espn Brasil) existiu uma
matéria com alguns técnicos e jogadores dos times paulista e a maioria reivindicando
no mínimo 8 vagas para o estado. Discordo frontalmente. Não obstante o estado
de São Paulo ter um campeonato regional com maior número de participantes,
não significa que necessariamente os times paulistas se sobressaiam no nacional.
A título exemplificativo, Casa Branca que consegue chegar entre o 6º e o
8º lugar no paulista, no nacional fica sempre entre os últimos. A Hebraica
no alguns anos atrás conseguiu disputar o nacional e sempre também figurou
entre os últimos no nacional. Portanto, não é certo transferir o poderio
regional inquestionável de São Paulo para nível nacional, porque não acontece.

Por outro lado, faz jus as equipes de São Paulo resmungarem a partir do
momento que uma equipe paga uma ?taxa? de 150 mil reais e ganha a vaga no
nacional. Nesse ponto estão corretíssimos. Afinal de contas, o investimento
de algumas equipes, não só no Estado de São Paulo, mas como no Rio de Janeiro
e Minas Gerais, em 6 meses de trabalho é muito maior do que os 150 mil.
Desta forma, o potencial investidor não vai querer saber de investir no
time para o estadual e assim enfraquecerá o nível das competições regionais.

Aliás, esse é um ponto que merecia ser muito bem discutido. O campeonato
nacional tem que ser disputado no mínimo em 7 meses. O investimento é muito
alto para bem pouco tempo. Campeonato regional está totalmente falido. Nós,
brasileiros, temos o hábito da disputa regional, no entanto temos que avançar.

Na última coluna levantei a bola, e reitero aqui. Os clubes deveriam exigir
da CBB que fosse repassado aos clubes a receita dos direitos de transmissão,
e ainda, procurar outros canais. Recentemente li que na Venezuela a próxima
Liga Nacional será televisionada por 3 emissoras. Já no ano passado, no
contrato com a Globosat não existia o direito de exclusividade. Porque então
não negociar com um canal aberto ou até mesmo um de tv fechada? Sabemos
que não é fácil, até pela fase atual do basquete brasileiro, mas se como
disse o Lula, ?a nossa modalidade vive um grande momento?, eis a oportunidade
de aumentar a divulgação e trazer para o basquete mais público, mais mídia,
e mais praticantes.

Como no próximo nacional não teremos Flamengo e nem Tijuca, é preciso saber
como a Globosat vai se programar para as transmissões. Ano passado nenhum
jogo da equipe representante do Rio Grande do Sul foi transmitido. Vamos
ver se vai acontecer a mesma coisa. 

Por fim, espero que nessa reunião fique bem claro quanto à questão dos transportes
para depois jogadores, comissão técnica e dirigentes não correrem até a
imprensa e ficar chorando o leite derramado. Inclusive, desta reunião, além
das pessoas supra citadas, deveriam estar presente jogadores para reivindicarem
os seus direitos, mas eu me esqueço que a classe é tão unida que nem um
humilde sindicato existe.

A respeito do programa de quinta-feira (10 de março) "Por dentro do basquete",
da ESPN Brasil, apenas tenho a dizer que foi muito legal que tenha vindo
à tona o que várias pessoas já sabiam, inclusive o próprio presidente da
CBB. Estou me referindo ao fato do Nenê dizer que não joga mais na seleção
enquanto o Grego e seus súditos estiverem na CBB. Contudo, é importante
frisar que quem deve ouvir esse tipo de declaração do Nenê são aqueles que
votarão na próxima eleição, que ainda não tem data definida, mas corre a
boca pequena que o Grego vai marcar logo para o primeiro dia útil do mês
de maio para tentar se ver livre desse tipo de desgaste e ficar mais quatro
anos curtindo.



Bruno Lima


 '>'-- Mensagem Original --
 '>'From: "alcirmf" <alcirmf em terra.com.br>
 '>'To: <"Undisclosed-Recipient:;"@arica.terra.com.br>
 '>'Date: Fri, 11 Mar 2005 13:58:10 -0300
 '>'Cc: 
 '>'Subject: [cevbasq] Oscar diz que clubes vão se reunir de
 '>'	 novo para debater postura da CBB
 '>'Reply-To: Basquete <cevbasq em listas.cev.org.br>
 '>'
 '>'
 '>'
 '>'
 '>'CLIPPING DO BASQUETE
 '>'
 '>'
 '>'
 '>'
 '>'
 '>'Atenciosamente,
 '>'Alcir Magalhães Filho.
 '>'
 '>'      Rio, 11 de março de 2005  Versão impressa 
 '>'     
 '>'     
 '>'
 '>'
 '>'      Oscar diz que clubes vão se reunir de novo para debater postura
da
 '>'CBB
 '>'
 '>'      Rogério Daflon
 '>'
 '>'      O presidente do Telemar/Rio de Janeiro, Oscar Schmidt, disse ontem
 '>'ter ficado chocado com o fato de o presidente da Confederação Brasileira
 '>'de Basquete, Gerasime Bozikis, o Grego, não ter recebido os representantes
 '>'de 12 clubes, que, segundo Oscar, pediram um encontro na entidade para
discutir
 '>'os valores recebidos pelos times para disputar o Campeonato Nacional
Masculino
 '>'de Basquete. A CBB diz que nove clubes solicitaram a reunião, e não
12. Oscar
 '>'afirmou que de fato nove clubes mandaram o fax, requerendo a reunião.
Mas
 '>'diz que são 12 clubes que gostariam de ter sido recebidos na entidade.

 '>'
 '>'      - Nove clubes mandaram o fax à CBB, mas são 12 clubes. Se tivéssemos
 '>'sido recebidos, eu perguntaria por que a CBB informou que não receberíamos
 '>'recursos da Eletrobras (entidade que patrocina a CBB) e põe placas de
publicidade
 '>'da estatal em nossos ginásios. Gostaríamos de saber também porque a
CBB põe
 '>'placas da Tam se nós viajamos de ônibus no Nacional. E ainda tem a placa
 '>'do COC/Ribeirão Preto (time participante). 
 '>'
 '>'      A CBB tem um contrato com a Eletrobras no qual está escrito que
a estatal
 '>'tem direito a placas publicitárias em todos os torneios da entidade.
O acordo,
 '>'porém, foi feito sem consulta aos clubes. 
 '>'
 '>'      Quanto às placas da empresa de aviação, a CBB informou que tem
descontos
 '>'nas passagens aéreas, que é extensivo aos clubes no Nacional. Já as
placas
 '>'do COC/Ribeirão Preto são por um convênio com o clube paulista, que
cede
 '>'seu centro de treinamento para as seleções brasileiras. 
 '>'
 '>'      Jogadores não foram ouvidos em reuniões na CBB 
 '>'
 '>'      Oscar disse que os 12 clubes vão se reunir novamente para decidir
que
 '>'procedimento adotar. Os nove que, de acordo com a entidade, pediram
o encontro
 '>'são os seguintes: Telemar/Rio de Janeiro, Paulistano (SP), Londrina
(PR),
 '>'Araraquara (SP), Corinthians (SP), Franca (SP), Limeira (SP), Liga Macaense
 '>'(RJ) e Joinville (SC). Oscar garante que mais três clubes inscritos
no Nacional
 '>'apóiam o movimento. 
 '>'
 '>'      A CBB alega que os clubes sabiam do regulamento do torneio e da
verba
 '>'que receberiam, no caso R$ 10 mil. Mas, por trás do movimento pode estar
 '>'em estudo o surgimento de uma liga que organize o Nacional sem a CBB,
que
 '>'atualmente administra os recursos de transmissão de TV. Oscar já defendeu
 '>'a criação da liga. 
 '>'
 '>'      Por enquanto, os atletas são os grandes prejudicados com as condições
 '>'do Nacional. Nem eles nem os treinadores participaram das reuniões entre
 '>'CBB e clubes, em que foi decidido como seria o campeonato. A possibilidade
 '>'de ter duas chaves com oito times, em vez de uma com 16 com turno e
returno,
 '>'chegou a ser discutida nas reuniões, mas não foi aceita. 
 '>'
 '>'      Pela fórmula atual, os atletas jogam até quatro vezes por semana,
e
 '>'viajam até 15 horas de ônibus. 
 '>'
 '>'      Ontem, pelo Nacional, o Rio de Janeiro venceu o Limeira por 98
a 97,
 '>'na prorrogação. No tempo normal, o jogo terminara empatado: 91 a 91.

 '>'     
 '>'
 '>'
 '>'FONTE: JORNAL O GLOBO 
 '>'
 '>'
 '>'
 '>'
 '>'Anexo: bola_giratoria.gif
 '>'
 '>'
 '>'Anexo: 1x1.gif
 '>'
 '>'Receba(quinzenalmente) as novidades do CEV  http://www.cev.org.br/br/novidades/
 '>'
 '>'_______________________________________________
 '>'Acesse o Basquete Brasil http://www.basquetebrasil.org.br
 '>'
 '>'Lista cevbasq Adm: carlos.alex em cev.org.br
 '>'rodrigo em cev.org.br
 '>'
 '>'SAIR DA LISTA/OUTRAS OPÇÕES
 '>'http://www.cev.org.br/br/listas/listas.asp?cd_lista=7





Mais detalhes sobre a lista de discussão cevbasq

© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.